Restauros no Pelourinho ganham vídeo

Restauros no Pelourinho ganham vídeo. Imagens de arte sacra ou popular, em madeira, estuque ou pedra, azulejos, mobiliário e talha, documentos, cerâmicas, porcelanas, lustres e vitrais, esculturas, molduras e pinturas parietais. Essas são algumas das riquezas culturais da Bahia, dos séculos XVII ao XIX/XX e que são restauradas por especialistas e mestres nos Ateliês da Coordenação de Restauro de Elementos Artísticos (Cores) do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), no Pelourinho, Centro Histórico de Salvador (CHS). Diante da importância desse trabalho, os Ateliês de Restauro do IPAC ganharam um vídeo da Coordenação de TV da Secretaria de Comunicação (Secom) em parceria com a Secretaria de Cultura (SecultBA), onde o IPAC está vinculado. Assista:https://goo.gl/Z3Ji2C.

 

Capela do Miradouro, foto José Carlos Mata

“Os ateliês integram a política pública cultural que nos permite transversalidade por todo o estado, atendendo demandas das mais diversas para contemplar bens materiais (imóveis, monumentos e obras de arte) e imateriais (manifestações populares, modos de ser e fazer)”, explica o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira. Ele informa que o Instituto detém corpo técnico com qualificação internacional e alguns dos melhores artífices do Brasil. “A presença dos Ateliês no Pelourinho é fundamental para relação direta com a população e, também, pelo CHS ser Patrimônio da Humanidade e deter alguns dos elementos artísticos mais importantes do barroco no Brasil”, afirma.

 

CINQUENTENÁRIO – Neste ano (2017), o IPAC completa seu Cinquentenário como referência nacional por ter sido um dos primeiros órgãos estaduais de proteção ao patrimônio no Brasil. Além de várias etapas da recuperação do CHS, o IPAC restaurou ao longo de cinco décadas, inúmeras obras de arte, imóveis e monumentos. Dentre eles, os painéis modernistas da Escola Parque, pinturas parietais do Palacete das Artes, Palácio da Aclamação e Câmara Municipal de Salvador.

 

Azulejos de Jenner Augusto, o altar e a imagem de São Benedito do século XVIII na Igreja de Santana são outros bens restaurados pelo IPAC. Patrimônios da Igreja do Pilar, imagens sacras, confessionários, banquetas, objetos litúrgicos, tocheiros, quadros, bancos, cadeiras, mesas e centenas de itens dos séculos XVII, XVIII, XIX e XX completam a lista. A Cores/IPAC já foi convidada para os estados de Santa Catarina, Paraíba e Alagoas. No ano passado (2017), o IPAC entregou peças restauradas da Igreja do Pilar. Assista: https://goo.gl/LyU2XZ.

Compartilhe

Deixe uma resposta